terça-feira, 28 de abril de 2009

VIVEIROS SÃO NEGÓCIO "RENTÁVEL"


Imagem original: blogdepaisagismo.lopes

É PRECISO PROTEGER OS RECURSOS"


 
A apanha de caracóis nos campos foi há muito ultrapassada pelas importações de países como Espanha, Marrocos ou Tunísia. Hélder Spínola, líder da associação ambientalista Quercus, diz que as espécies que vivem em meio selvagem que são comercializadas em Portugal não garantem a sustentabilidade do mercado. “O Estado deveria proteger os recursos naturais, como é o caso do caracol, com mais cuidado. Não existe fiscalização desta actividade em Portugal e era importante que isso acontecesse. Não há limites em relação às quantidades que podem ser apanhadas.”


Spínola alerta ainda para o risco da contaminação dos animais por pesticidas: “Há muito pouca informação sobre o uso de químicos nos campos.”
VIVEIROS SÃO NEGÓCIO RENTÁVEL

Se tem um terreno com dois mil metros quadrados, três horas livres por dia e 10 600 euros para o investimento inicial, mais 2400 para as despesas com água e rações, a helicicultura pode ser uma boa oportunidade de negócio. Ao fim de um ano pode ganhar 17,5 mil euros. João Lopes, proprietário do Monte Jogral, na zona do Poceirão, garante que a criação de caracoletas em viveiros é um investimento com retorno garantido e dá o seu próprio exemplo.

Começou a sua exploração em 2000, quando importou os primeiros avelins (caracóis acabados de eclodir) de Barcelona. Hoje tem 2,5 hectares de viveiros, entre estufas e campos abertos.

“Fazemos uma cultura orgânica, onde tudo é natural.” As caracoletas das espécies Petit Gris e Grand Gris passam o dia debaixo da sombra protectora das caixas de Madeira. À noite, os campos são regados e a humidade faz os animais saírem do abrigo para se alimentarem de ração – elaborada segundo uma fórmula criada por João Lopes. De Abril a Maio as caracoletas estão na fase de engorda. Quando atingem o estado adulto são recolhidas e ficam seis dias na sala de estio, onde libertam todos os dejectos. Estão então prontas para serem vendidas a um preço que ronda os 5 euros por quilo. João Lopes vende só para o mercado nacional, mas há várias explorações que exportam para países como Espanha e França.

“As caracoletas de viveiro são mais caras do que os caracóis de importação, mas este é um produto de grande qualidade, em que temos a certeza de que não há riscos de contaminação por pesticidas. Comprar caracóis apanhados na natureza é um risco para a saúde pública”, diz João Lopes.

O empresário dá formação a todos os que queiram lançar-se no negócio. O Monte Jogral vende os avelins (caracóis juvenis) para os novos produtores e presta apoio técnico aos novos criadores. IMPORTAÇÃO SEM LEI ESPECÍFICA

As fiscalizações aplicadas aos caracóis importados são da responsabilidade da Direcção-Geral de Veterinária (DGV), que faz o controlo dos animais oriundos de países terceiros através dos Postos de Inspecção Fronteiriços (portos e aeroportos) quando estes chegam a território nacional. No entanto, não existe legislação comunitária que estabeleça as condições sanitárias aplicáveis à importação dos mesmos, nem uma nacional que estabeleça normas para o licenciamento dos viveiros.

Porém, existe uma lista dos países e estabelecimentos aprovados para exportação de produtos de pesca da União Europeia e a obrigatoriedade de existir um certificado sanitário de acompanhamento emitido pela autoridades veterinárias dos países de exportam.

A DGV recomenda o licenciamento dos armazéns de caracóis, que devem ser armazenados e transportados longe de produtos susceptíveis de os contaminar.

124 comentários:

  1. Boas noites.
    Como posso saber sobre formação e negociode caracois.
    Obrigado
    ermantex@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ernesto: Cá para nós que somos pequeninos, não conseguimos concorrer com essas grandes empresas que trazem centenas de toneladas de caracóis de marrocos, eu preferia fazer como os ciganos, ter uma produção minha e vender aos cafés e restaurantes locais, resta saber se o ernesto tém paciência para dedicar a esses bichinhos. O negócio de caracóis foi desenvolvido apenas para um trabalho do 12º ano, durante este tempo pesquisei e observei as pessoas que ganhavam dinheiro com esses bichinhos e durante 6 meses criei-os e pratiquei a "helicicultura" apenas como estudo. A seguir a conclusão do trabalho, abandonei o blog. Passado alguns meses a minha caixa de correio estava carregada de pessoas a me pedirem opiniões e conselhos, tive que voltar e explicar elas que era apenas um trabalho de curso.
      Sugiro que veja as respostas e as perguntas das pessoas abaixo. Espero que este blog e projecto caracol possa ajuda-lo. Felicidades!!!

      Excluir
  2. Boa noite!
    Gostaria de ter mais informaçoes acerca da formaçao e sobre o negocio dos caracois. Muito obrigado
    Os meus sinceros cumprimentos.
    O meu email é isabel.tnc.maia@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helicicultura

      Olá amigo: Não sou o proprietário deste site, apenas um curioso que passa muuitas vezes por aqui e como este blog é livre e o assunto agrada-me vou tentando ajudar o próximo pelo menos divulgo o meu conhecimento ou outros sites com a devida ou não informação.
      Espero que este link o ajude.


      A Helicicultura, criação de caracóis do género Hélix, principalmente, é uma actividade com interesse crescente no País, visando sobretudo o mercado de exportação. Existem explorações meramente comerciais, em que é vendida toda a produção ao natural, e outras semi-industriais em que o caracol é preparado para a venda (seja congelado ou pré-cozinhado) ou que dele são retirados os ovos (para reprodução ou para “caviar de caracol”) ou compostos com interesse na farmacopeia e cosmética. Para qualquer uma destas situações existem apoios ao investimento.

      Também nesta actividade é possível o método de produção biológico devidamente certificado, podendo também o projeto incluir a produção própria do alimento a fornecer ao efectivo (brássicas, cereais e leguminosas).

      A Consagra responde a todas as solicitações desta fileira, acompanhando a produção e a sua metodologia e desenvolvendo os processos produtivos, os layouts e os projetos de engenharia de toda a linha de transformação.

      Venha esclarecer-se connosco! A primeira reunião é grátis. Contacte-nos info@consagra.pt

      Excluir
    2. Agrodok 47

      Planificação duma empresa de cultura de caracóis
      A AgroBrief No. 3 da Agromisa, Snail Farming (M. Leeflang, 2005)
      fornece linhas de orientação úteis para quem esteja a considerar produzir
      caracóis. (Apêndice 1).
      Sugere-se a sequência das cinco etapas seguintes:
      1 Plano (de mercado, produção, organização)
      2 Produção e vendas-piloto
      3 Decisão de começar ou não com a produção
      4 Investimento em infra-estruturas e em know-how (gaiolas/recintos,
      finanças, conhecimento)
      5 Incremento programado da produção (controlos logístico, de qualidade
      e financeiro).

      Prescrições
      Os capítulos seguintes apresentam prescrições de como realizar a cultura
      de caracóis, por exemplo, espécies de caracóis adequadas, meio
      ambiente, habitação/instalações, raças, alimentação e saúde.
      Atenção: Antes de enveredar pela cultura de caracóis certifique-se de
      que existe um mercado para este molusco! Tal questão pode parecer,
      por si só, evidente mas existem muitos exemplos de casos em que
      foram introduzidos caracóis terrestres gigantes africanos (GALS -
      giant African land snails) noutras regiões do mundo para aí serem produzidos
      mas que, eventualmente, foram devolvidos à natureza, por
      falta dum mercado.
      Uma vez que os caracóis foram introduzidos, deitá-los fora ou deixar
      que escapem, origina uma praga agrícola grave. Se não existirem inimigos
      naturais acabarão destruindo uma vasta gama de culturas agrícolas
      e/ou hortícolas e causando danos económicos consideráveis. A
      espécie Achatina fulica goza, particularmente, duma má reputação a
      este respeito.

      Excluir
    3. Existem variadíssimas empresas de formação na área de helicicultura é claro que muitas não estão devidamente licenciadas, mas para produzir caracóis em cativeiro não é preciso ser nenhum gênio. No que diz respeito a área da exportação é que se precisa mais investimentos pois os rigores que envolvem o tema saúde é muito exigente.
      Existem fundos para este tipo de projeto desde que seja bem fundamentado. Ver QREM - Plano de Negócios e Estudo de Viabilidade

      Excluir
  3. boa noite há muito tempo que me interesso por este negocio gostaria de obter mais informaçoes acerca da formaçao e dos viveiros como se adquirem. obrigado meu e-mail é isabelregopereira@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia um pouco mais: http://cta.esmarthosting.net/data/pdfs/1499_full%20text.pdf
      Um abraço.

      Excluir
  4. boa noite,gostaria de obeter mais imformaçao sobre a especi e como se reproduzem,tambem saber mais sobre os viveiros e sobre o negocio da especi...
    gostaria de obeter imformacao sincera de um proficional...com os melhores cumprimentos Marcelo Oliveira...
    meu contacto:918433713
    meu e-mail:marcelomatosoliveira@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. boa tarde

    desde que ha um tempo li um artigo sobre caracois, e visto ser um enorme apreciador, gostaria de obter mais informaçoes sobre este negocio.

    cumprimentos
    tiagomartinsandre@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde gostaria se possivel saber aonde e como poderia receber mais informação sobre a criação e negócio do caracol.

    cumprimentos

    nuno.silva.gama@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, estou interessado no negocio da criação de caracóis, solicito mais informações, tanto do negocio como da formação, e se possivel, gostava de agendar uma reunião de preferência com visita aos seus viveiros, com o objectivo ter uma melhor noção do negocio.
    Obrigado
    Luís Marques
    luis.lfgm@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá: Sei que é tarde "no tempo", mas deixo aqui esta informação para aqueles curiosos.
      Não há dúvidas de que um negócio de caracóis pode ser a resposta, mas infelizmente existem imensos entraves ao empreendedorismo no nosso país e tudo o que é feito legalmente implica o pagamento de muitos impostos e a perda de imenso tempo, o que complica a sobrevivência do negócio e das pessoas envolvidas. Qualquer pessoa pode criar caracóis, mas poucos se tornarão especializados pois a formação continua exige muito investimento e nem sempre quem sabe nos 'vende' toda a informação.




      Conhecer as características do negócio, suas vertentes e o próprio produto é o primeiro passo para o sucesso.




      A alimentação, a reprodução, os predadores, a morfologia do Caracol e as suas especificidades são a base de todo este negócio, sem falar nos materiais necessários para proteger o investimento dos predadores e outras forças da natureza, e por fim os clientes, porque sem eles não existe negócio.

      Excluir
    2. Pergunta 1. Qual a área necessária ?

      Área Total
      Área Util
      2500 m2
      2000 m2
      3750 m2
      3000 m2
      5000 m2
      4000 m2
      6250 m2
      5000 m2

      A área util corresponde à área dedicada à criação de caracois e é calculada subtraindo à àrea total o espaço reservado a acessos e infrastruturas de apoio à produção.
      Pergunta 2. Que quantidade de alevins necessito ?
      Área Util
      Alevins
      2000 m2
      1.000.000
      3000 m2
      1.500.000
      4000 m2
      2.000.000
      5000 m2
      2.500.000

      A quantidade de alevins necessária é calculada de forma a rentabilizar ao máximo a área util disponivel (ver Quadro 1).
      Pergunta 3. Que quantidade de caracol adulto posso produzir ?
      Área Util
      Quantidade (kg/ano)
      2000 m2
      10000 kg
      3000 m2
      15000 kg
      4000 m2
      20000 kg
      5000 m2
      25000 kg

      Tendo em conta a quantidade de alevins necessária (ver Pergunta 2), o peso médio de um caracol e uma taxa de mortalidade de cerca de 20% é possivel calcular com alguma margem de erro o potencial produtivo de uma exploração helicícola.

      Pergunta 4. O que necessito para começar ?

      Esta é certamente a pergunta mais dificil de responder. É possivel criar uma exploração helicícola aproveitando infrastruturas existentes e recorrendo ao ferro-velho ou, pelo contrário, adquirir todo o material novo e criar de raiz. As opções são muitas.

      Segue-se um exemplo muito genérico do que consideramos ser a exploração helicicola mais comum em Portugal. Todos os preços referidos pressupõem a aquisição do material novo. Não foram contabilizados os custos em mão-de-obra.
      Exemplo para uma exploração helicícola com 2000 m2 de área total.
      Item
      Custo Unitário
      Custo Total
      Observações
      Apenas no 1º Ano
      Vedações
      3 € / metro
      600 €
      Rede própria para helicicultura, postes de madeira, arame e alguns acessórios.
      Refúgios
      1 € / metro
      1000 €
      Estruturas onde os caracóis se possam esconder durante o dia.
      Outros
      2.4 € / metro
      480 €
      Todo o restante equipamento necessário à construção do parque de engorda.
      Alevins
      10 € / milheiro
      10000 €
      1.000.000 alevins.
      Despesas Anuais
      Água
      Variável
      300 €
      Preferencialmente de furo ou poço.
      Ração
      0.35 € / kg
      5250 €
      15000 kg de ração
      Com os cumprimentos da Bio Jogral.

      Excluir
  8. Parabéns pelo blog e pela informação.
    Do seu conhecimento será viável instalar viveiros no Alentejo?
    Estas e outras dúvidas atravancam o início de uma actividade nesta aliciante área.

    Obrigado
    Carlos

    cjsrita@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de tudo quero dizer-te que o blog http://negociosdecaracois.blogspot.com/ e http://projectocaracol.blogspot.com/, foi desenvolvido para um projeto do 12º ano e está explicado no blog.

      Para desenvolver o projeto, o meu grupo criou caracóis em cativeiro durante 6 meses e durante este periodo de tempo foi feito diversas pesquisas, entre elas o comércio paralelo sem faturas, ou seja venda nos cafés locais.

      O blog conta com muita matéria e curiosidade sobre os caracóis e diversos endereços de produtores e comerciantes e ainda várias opiniões dos leitores.

      Eu quando criei o Blog, foi para o desenvolvimento de um projeto, mas devido o sucesso do assunto e a pedido de algumas pessoas, continuei.
      Quando desenvolvi o projeto era para ganhar algum dinheiro para as férias, tendo como sustento de subsistência uma criação de caracóis no quintal de um amigo e efetuar as vendas nos cafés e restaurantes da vizinhança.

      Quanto a grande produção, exige investimentos e tempo.

      Deixo aqui um endereço caso queira aprofundar o assunto. Quantop as vendas, já existe muitos importadores e distribuidores na zona de Lisboa e Algarve, tens que definir o teu tipo de negócio e o teu tipo de cliente e ver a disponibilidade deles pagarem o seu preço e se valçe a pena abrir empresa para faturar as vendas.
      Leia um pouco mais: http://cta.esmarthosting.net/data/pdfs/1499_full%20text.pdf

      e http://projectocaracol.blogspot.com/.

      Espero ter ajudado: Um abraço.

      Excluir
    2. Os dois sistemas/métodos principais de criação de caracóis

      Com o aparecimento das primeiras quintas helicicolas nos anos 70 nascem também duas formas muito distintas de criar caracóis, as mesmas que são usadas ainda hoje com mais ou menos adaptações.

      Por um lado temos o método italiano ao qual se costuma chamar "Ciclo Biológico Completo" onde os animais são criados em grandes parques de terreno a céu aberto. Antes dos caracóis reprodutores serem colocados o terreno é tratado e é-lhe aplicada uma sementeira com uma mistura específica de vegetais que mais tarde os caracois irão comer e usar como abrigo. Não necessita de grande investimento nem mão-de-obra a tempo inteiro na maioria dos casos, o que faz deste método a forma ideal para um "passatempo" familiar ou uma segunda fonte de rendimento. Tem como principais pontos fracos o tempo necessário para que o caracol atinja a idade adulta - cerca de dois anos com colheitas anuais -, a elevada taxa de mortalidade (até 30% é considerado normal), o não poder ser praticado no Inverno e não ser possível controlar efectivamente a quantidade de caracol criado. A colheita tende a ser um processo lento.

      Por outro lado temos o método francês ou "Sistema Intensivo" onde os animais são criados em mesas específicas colocadas em recintos fechados com parâmetros de luz, temperatura e humidade controlados e alimentados exclusivamente com rações próprias para helicicultura. Desta forma o caracol leva seis a oito meses a atingir a idade adulta e é possível criar caracóis o ano inteiro. Também permite tirar o maior rendimento possível do espaço disponível e os processos de controlo da colheita são muito facilitados. Tudo isto à custa de um maior investimento e de uma absoluta dedicação a tempo inteiro.

      Excluir
  9. Boa noite

    Gostaria de saber onde posso receber, informação acerca da helicultura inclusive formação.

    Cumprimentos

    Mário Rui Soares

    mario_rs86@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Boa noite.
    Parabéns pelo blog!
    Como estou desempregado e tenho um terreno com cerca de 7.000 m2 e com muita vontade de aproveitar esta oportunidade para criar o meu proprio emprego gostaria de receber mais informações sobre como criar os caracois, onde posso fazer formação e acerca do escoamento do produto etc..
    Desde já obrigado pela atenção.
    Abraço Paulo

    ResponderExcluir
  11. O meu mail é( pauloclasse@live.com.pt )

    ResponderExcluir
  12. ola eu sou waldir .
    gostaria de ter mais informacoes sobre escagot
    tenho um terreno onde posso criar .
    conto com sua gentilesa para me passar as melhor enformaçoes
    obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá VALDIR: Cá para nós que somos pequeninos, não conseguimos concorrer com essas grandes empresas que trazem centenas de toneladas de caracóis de marrocos, eu preferia fazer como os ciganos, ter uma produção minha e vender aos cafés e restaurantes locais, resta saber se a Claudete tém paciência para dedicar a esses bichinhos. O negócio de caracóis foi desenvolvido apenas para um trabalho do 12º ano, durante este tempo pesquisei e observei as pessoas que ganhavam dinheiro com esses bichinhos e durante 6 meses criei-os e pratiquei a "helicicultura" apenas como estudo. A seguir a conclusão do trabalho, abandonei o blog. Passado alguns meses a minha caixa de correio estava carregada de pessoas a me pedirem opiniões e conselhos, tive que voltar e explicar elas que era apenas um trabalho de curso.

      Excluir
  13. Boa noite.
    Esta ideia da criação de caracóis parece-me que tem "pernas para andar", e assim sendo, tendo eu um terreno com cerca de 5.000 m2, gostaria de receber mais informações sobre como criar os caracóis, escoamento do produto, melhores zonas do país, concorrência....
    Desde já obrigado pela atenção.
    Email: joaosobreiro@gmail.com
    Abraço Joao

    ResponderExcluir
  14. boa noite, tenho um terreno com grandes dimensões a algum capital para investir, gostava de ter mais informações sobre a produção de caracóis, agradeço desde já qualquer informação que me possam facultar.
    obrigado

    email: alqueida@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helicicultura é o processo de criação e exploração de caracóis, ou melhor dizendo, "gastrópodes". A produção de caracóis em larga escala exige um investimento considerável em tempo, equipamento, e recursos. Potenciais interessados nesta actividade devem analisar cuidadosamente estes factores, pois todos os casos de explorações instaladas, passaram por uma fase de adaptação, até atingir a melhor solução para as condições específicas do local instalado.

      São várias as sub-espécies utilizadas para alimentação humana, sendo que a exportação é o destino mais vantajoso para esta produção.

      Em Portugal, esta actividade é ainda embrionária, e muito pouco se conhece sobre as formas mais modernas de criação de caracóis, sendo que os franceses são de longe os “experts” nessa matéria. No entanto existem algumas empresas no País que asseguram o escoamento, pois possuem os contactos certos para a exportação deste produto.
      Em conclusão, pode ser uma actividade interessante, se previamente se documentar e conhecer todos os aspectos desta actividade. Aconselha-se que visite e conheça vários exemplos de produtores de caracóis

      Este trecho pertence a: Agroprojectos(http://www.agroprojectos.com/projectos/pecuarios/helicicultura.html)

      Um conhecido meu, disse-me que o investimento é recuperavel em cerca de 5 anos, mas tém que se trabalhar para que esta amortização aconteça.

      Para se crescer nesta área da helicicultura é preciso ou convém ver algumas instalações e quem sabe fazer também algumas formações como: Leis, conservação de carne de caracol, normas da HCCP, entre outros.

      Os custos de um investimento deste calibre passa por:

      1-Montagem das infra-estruturas,
      2-investimentos a realizar ,
      3-tipos de produção (estufa - ou ao ar livre)
      4-como preparar os parques de engorda e o que semear,
      5-montagem de sistemas de rega,
      6-fabrico de abrigos,
      7-quantidade de caracóis bebés a comprar,(avelins)
      8-manutenção dos parques,
      9-engorda dos caracóis,
      10-aplicações de fitofármacos,
      11-apanha,
      12-purga,
      13-embalagem,
      14-conservação,
      15-escoamento,
      16-legalização da actividade,
      17-candidatura a subsídios do Ministério da Agricultura Etc....

      Excluir
  15. ola boa tarde.
    gostaria que me indicasse a forma de obter informações e formação.
    obrigado.
    email: franciscobf@sapo.pt

    ResponderExcluir
  16. Tiago.

    Boas, antes de mais parabens pelo blog.
    Gostaria de abter mais informações sobre o negocio, tenho o terreno e capital para investir e ja a algum tempo que penso no negocio dos caracois.
    gostaria entao de mais esclarecimentos.
    Obrigado

    Tiago.11.oliveira@gmail.com

    ResponderExcluir
  17. Ao senhor JOÃO LOPES. Não sei quem o senhor é mas essa história de " Comprar caracóis apanhados na natureza é um risco para a saúde pública" deve estar mal contada. Tenho 62 anos e sempre comi caracóis apanhados nos campos,nas arvores,debaixo das pedras, eu próprio apanhei muitos, etc, etc.Não consigo compreender esse seu disparato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é: Mas esta prática é muito comum no comércio tradicional, pequenos cafés e restaurantes.
      Basta olhar para os ciganos que colhem na mata e na beira da estrada caracóis, óreganos e espargos. Estes artigos são vendidos ao pequeno comércio e ao cidadão comum que lhes pagam 2,00 euros o quilo.
      O que eu proponho é que as pessoas se possivel faça a sua própria criação de subsistência e venda qualidade.

      Excluir
    2. Caso enverede pela cultura de caracóis: Sugiro:
      Espécies de caracóis tropicais adequadas
      para cultura
      Mais adiante é apresentada uma lista das espécies comestíveis de
      caracóis. A Europa e a América do Norte possuem mais de 20 espécies
      comestíveis, das quais as mais populares são os petit-gris ou os
      pequenos caracóis cinzentos, o Helix aspersa, o caracol Burgundy, H.
      pomatia, e o escargot turco ou caracol da Turquia, H. lucorum. A carne
      desta espécie de caracóis em França é conhecida como 'escargot' ; a
      carne de caracóis de GALS é exportada, po

      Excluir
  18. Boa tarde! Queria pedir se me podia informar sobre este negocio do qual eu estou interssada!Não tenho qualquer tipo de informação a não ser a que se obtem na net. preciso da sua ajuda com algum urgencia.
    mafalda943@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá: Antes de tudo quero dizer-te que o blog http://negociosdecaracois.blogspot.com/ e http://projectocaracol.blogspot.com/, foi desenvolvido para um projeto do 12º ano e está explicado no blog.

      Para desenvolver o projeto, o meu grupo criou caracóis em cativeiro durante 6 meses e durante este periodo de tempo foi feito diversas pesquisas, entre elas o comércio paralelo sem faturas, ou seja venda nos cafés locais.

      O blog conta com muita matéria e curiosidade sobre os caracóis e diversos endereços de produtores e comerciantes e ainda várias opiniões dos leitores.

      Eu quando criei o Blog, foi para o desenvolvimento de um projeto, mas devido o sucesso do assunto e a pedido de algumas pessoas, continuei.
      Quando desenvolvi o projeto era para ganhar algum dinheiro para as férias, tendo como sustento de subsistência uma criação de caracóis no quintal de um amigo e efetuar as vendas nos cafés e restaurantes da vizinhança.

      Quanto a grande produção, exige investimentos e tempo.

      Deixo aqui um endereço caso queira aprofundar o assunto. Quantop as vendas, já existe muitos importadores e distribuidores na zona de Lisboa e Algarve, tens que definir o teu tipo de negócio e o teu tipo de cliente e ver a disponibilidade deles pagarem o seu preço e se valçe a pena abrir empresa para faturar as vendas.
      Leia um pouco mais: http://cta.esmarthosting.net/data/pdfs/1499_full%20text.pdf

      e http://projectocaracol.blogspot.com/.

      Espero ter ajudado: Um abraço.

      Excluir
  19. Boa tarde gostaria de receber toda informação acerca deste negocio com os melhores cumprimentos
    alvaro@ggarden.net tlm: 963715889 Álvaro

    ResponderExcluir
  20. boa tarde gostaria de saber mais sobre a rentabilidade deste negocio e qual o apoio que poderia ser dado por vós, muinto obrigado pela atenção. SAMUELMALHOA@HOTMAIL.COM

    ResponderExcluir
  21. Gostei dos trabalhos desenvolvidos nos "blogs" Negócios de Caracóis, O HELICICULTOR e PROJECTO CARACOL.
    Acho que o estudo está muito giro e que o negócio é de grande futuro.`´E uma excelente idéia para quem têm um pedaço de terreno e queira tentar a sorte.
    O negócio em si é de pouco investimento e as pessoas que queiram desenvolver o projecto não empatam muito dinheiro.
    Eu tenho pena de morar num apartamento, se não já tinha me metido neste negócio.
    Só com os cafés da minha vizinhança eu safava uns bons Euros.

    ResponderExcluir
  22. boa noite. gostaria saber como poderei frequentar uma formação de helicicultura. zedapusca@hotmail.com

    ResponderExcluir
  23. ola, bom dia.
    Se fosse possivel gostaria que me indicasse a forma de obter informações e formação.

    Obrigado pela atenção
    Nelson Reis
    nelson.reis2@sapo.pt

    ResponderExcluir
  24. Bom dia! Gostaria de saber mais informações e formação no assunto.
    Obrigado. Pedro

    campos.joao28@gmail.com

    ResponderExcluir
  25. Boas!
    Gostaria de abter mais informações sobre o negocio. Como estou desempregada e tenho os recursos necessários para investir gostaria de obter mais esclarecimentos, informações e formação acerca da Helicultura.

    Agradeço a atenção

    Carlalvesfaria@gmail.com

    ResponderExcluir
  26. Boa Noite, parabens pelo blog, a muito que me interesso por este negocio, gostaria de saber onde posso aceder a mais informação para implementar uma produção no Algarve
    contacto
    fpguerreiro@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Algarve recebe o calor de África, deixo aqui um texto do Agrodok 47 que pode ser útil quanto ao solo.

      Características do solo
      O solo constitui a parte principal do habitat dos caracóis. A composição
      e a textura do solo, assim como o seu o teor de água são factores
      importantes a considerar aquando da selecção do local para iniciar a
      criação de caracóis.
      ? A concha do caracol consiste principalmente de cálcio, extraído do
      solo e da alimentação.
      ? Os caracóis extraem do solo a maior parte das suas necessidades em
      água.

      ? Os caracóis escavam no solo para aí porem os seus ovos e descansarem
      durante a estacão seca.
      Por todas estas razões é essencial que o solo seja solto e que tenha um
      teor elevado de cálcio e de água.
      ? Um solo que é pesado, argiloso e que fica saturado na estação das
      chuvas e compactado durante a estação seca, não é propício.
      ? Um solo muito arenoso também não é propício devido à sua baixa
      capacidade de retenção da água.
      ? Devem-se evitar os solos ácidos porque a acidez interferirá com o
      desenvolvimento da concha do caracol. O solos que são demasiado
      ácidos devem ser neutralizados com cal até que tenham um pH de,
      aproximadamente, 7.
      ? Os solos com uma composição elevada de matéria orgânica favorecem
      o crescimento e o desenvolvimento dos caracóis. Dum modo
      geral, se solo é apropriado e benéfico para as culturas de taro,
      de tomate e de legumes de folhas também é propício para a
      criação de caracóis.
      ? Antes de introduzir os caracóis no lugar onde se vai proceder à sua
      criação, deve-se soltar o solo através da lavoura
      ? Os caracóis precisam de ambientes húmidos mas não molhados.
      Embora os caracóis necessitem de humidade, se o solo for molhado
      ou estiver saturado tem que ser drenado. De igual modo, é necessário
      que a água da chuva possa escoar rapidamente. Os caracóis respiram
      o ar e podem afogar-se em ambientes/espaços excessivamente
      molhados. O teor de humidade do solo favorável é de 80% da
      capacidade de campo (capacidade de retenção de água). Nas horas
      de escuridão, uma humidade do ar superior a 80% promoverá uma
      boa actividade dos caracóis e consequente crescimento.

      A maior parte da actividade dos caracóis, incluindo a sua alimentação,
      ocorre durante a noite e o pico da actividade ocorre 2 a 3 horas após o
      anoitecer. A temperatura mais fresca estimula a actividade e o orvalho
      nocturno ajuda o caracol a movimentar-se facilmente. Os caracóis
      gostam de se esconder em sítios abrigados durante a maior parte do dia. Na Nigéria colocam-se folhas de bananeira, semi secas e migadas
      nos recintos onde se encontram os caracóis para que eles se escondam
      debaixo destas folhas, durante o dia.
      De forma a se manterem níveis adequados de humidade nos locais
      mais secos, pode-se utilizar nebulizadores/pulverizadores, (como os
      que são utilizados para a propagação de plantas) − desde que tal prática
      seja técnica e economicamente viável.
      As conchas dos caracóis são compostas de 97-98% de carbonato de
      cálcio, daí que necessitem de ter cálcio disponível, quer seja a partir
      do solo ou duma fonte externa (calcário em pó, cascas de ovos, etc.,
      ver Capítulo 5). A matéria orgânica no solo é tão importante como os
      carbonatos. O solos que são ricos em cálcio e magnésio permutáveis
      estimulam o melhor crescimento. Também se pode adicionar cálcio à
      comida para que os caracóis o possam ingerir à vontade.
      Os caracóis escavam o solo e ingerem-no. Um solo de boa qualidade
      favorece o crescimento do caracol e fornece uma parte da sua nutrição.
      A falta de acesso a um solo de boa qualidade pode resultar em
      conchas frágeis. Mesmo que os caracóis tenham uma alimentação bem
      balanceada, o seu crescimento pode ficar muito aquém de outros caracóis
      que se encontram num solo de boa qualidade. Os caracóis muitas
      das vezes alimentam-se de comida e depois de sujidade/detritos. Por
      vezes só se alimentam de uma ou da outra.
      O solo presente nos recintos onde estão os caracóis pode, eventualmente,
      ficar sujo com mucosidade e com dejectos. Também podem
      ocorrer alterações químicas. É por isso que se deve mudar a terra de
      três em três meses.

      Excluir
  27. BioJogral, Sugiro que procurem a página Web desta Empresa. Eles Dão formação.

    ResponderExcluir
  28. Olá
    Tenho quinta em Palmela onde se poderia utilizar até 3 ha para estufas e instalações de cria de caracóis. mas gostava de encontrar colaboradores para desenvolver o projecto.Caso interesse telefone 931114909 ou correio-e quintadoalcanar@gmail.com.

    ResponderExcluir
  29. Olá Fernando: Eu infelizmente não posso explorar esse negócio. Já tive mais convites, inclusive para mais pewrto da minha residência.
    No momento estou a estudar na Universidade e tenho 2 filhos pequenos que dependem do meu pouco tempo livre, sem falar de outras situações pessoais que estou atravessando. Agradeço a mesma. Só lhe digo uma coisa, investiga antes e visite uma empresa como a BioJogral. Podes fazer experiências e começar uma criação artesanal com pouco investimento. Quando sentires que o teu projecto ganhou asas e têm futuro, podes então pensar em grande.

    ResponderExcluir
  30. Aproveito para agradecer e pedir desculpas a todos aqueles que não respondi as questões, mas a minha vida nem sempre me permite abrir este blog ou as páginas mais visitadas.
    O conselho que eu dou é sempre o mesmo, observe os profissionais e comece pelo sistema artesanal, pesquise na Internet, os Espanhóis e ops Ingleses estão bem avançadinhos neste "MERCADO" e nos dão as respostas quase todas para o que é preciso.
    Quando fiz as minhas experiências para o desenvolvimento escolar, apanhei umas centenas de caracóis numa quinta abandonada e depois crieios com um amigo durante quase 12 meses e acompanhei alguma evolução, posso dizer que não morreu nenhum caracol.

    ResponderExcluir
  31. Esta idéia de um negócio de caracóis é estupenda.
    Obrigado pela idéia de um negócio familiar.
    Fazer um pequeno negócio, caseiro de helicicultura para juntar algum dinheiro para as férias de verão é tentador.
    E o melhor de tudo isso é que pode ser feito com materiais reciclados.

    ResponderExcluir
  32. Boa noite, venho já a algum tempo a pensar neste tipo de investimento...Tenho vindo a realizar pesquisa sobre o tema da helicultura, porém sinto necessidade de mais informação e formação... Resido na zona de Lisboa mas tenho terreno disponível na região de trás-os-montes/alto douro, como não conheço qualquer investimento deste género na referida zona, gostaria de avançar com um projecto... agradeço alguma orientação que lhes seja possível facultar... Com os melhores cumprimentos, Sérgio P.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá: existem muita informação e alguma formação na área.
      Eu aconselho que se faça uma observação com alguma prática. Por exemplo fazer um pequeno viveiro no terreno ou quintal, enquanto observa e trata dos caracóis vai estudando as fazes dos caracóis e vai pensando se vale a pena fazer um bom investimento ou não. Aqui na zona do Ribatejo, exiostem muitas famílias qua fazem a apanha do caracol e vendem para os cafés a 2,00 euros o quilograma, muitas dessas famílias chegam a apanhar 20 quilos desses bichinhos, é uma boa fonte de rendimento e outras apanham também óreganos e vendem para temperar o caracol.
      BioJogral é uma empresa que as vezes dá formação, Sugiro que procurem a página Web desta Empresa. Eles Dão formação.

      Excluir
  33. Gostaria de receber informação adicional acerca desta possibilidade de investimento.

    Email: went@sapo.pt

    Muito obrigado

    ResponderExcluir
  34. Tenho terreno em trás-os-montes para criação de caracois. Queria obter mais informação/formação. Email: djapika@hotmail.com

    ResponderExcluir
  35. Boa tarde, tenho vindo já há algum tempo a interessar-me e a pesquisar sobre a helicicultura. Tenho um terreno na zona do Ribatejo com cerca de 2000mts, gostava de obter mais informação sobre o assunto, por via a iniciar a actividade na helicicultura.O meu mail é luisoliv130@hotmail.com . Agradeço desde já a vossa atenção, sem outro assunto. Atenciosamente, Luis Oliveira.

    ResponderExcluir
  36. Olá: A cr´se está cada vez mais intensa. As oportunidades de trabalho estão más para os mis velhos e para os mais novos.
    Tenho observado os estudantes Universitários de todas as áreas e percebi que quando terminam o estudo, vão para casa ver as novelas da tarde, pois não há emprego. Também tenho observado que os jovens andam por todo o país a pedirem terras para cultivar e a fazerem pesquisas sobre subsídios junto ao ministério da agricultura. Uma coisa eu digo, vamos todos acabar no campo a plantar batatas e a criar caracóis. Acho que para nós estudantes só nos resta a vida do campo independente da profissão ou do canudo.
    Parabéns por este blog. Têm um pouco de tudo e muitos pontos de vista, felicidades!!!

    ResponderExcluir
  37. Eu gosto de caracóis, mas é com uma fresquinha.

    ResponderExcluir
  38. Boa Tarde, desde sempre que anseio pela criação do meu próprio negócio e acho que os caracóis podem ser a solução, por isso gostava de receber mais informações a esse respeito, uma vez que tenho terreno disponível, água, mão-de-obra e alguma capital para o investimento inicial.

    Cumprimentos,

    Paula Tomaz
    paulaalmeida2002@gmail.com

    ResponderExcluir
  39. Boa tarde, como posso ter acesso a essa formaçao?

    soares.carlosmc@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos: Basta ver os links que estão nos blogs negócios de caracóis e projecto caracol e mesmo nesta lista de pessoas que fazem perguntas.
      Aqui em baixo da sua pergunta, há pessoas que dão informação e links para páginas mais informativas e esclarecedoras.

      Excluir
  40. Bom dia.
    Gostava de saber mais informação.
    Como o posso fazer?
    Obrigado

    goncalo.p.c@gmail.com

    ResponderExcluir
  41. ola boa tarde

    ha a possibilidade de ter algum tipo de formação neste ramo?

    rsousa.avintes@gmail.com

    ResponderExcluir
  42. Boa noite.

    Gostaria de saber mais dados sobre este negócio, posso estar interessado em investir.

    Cumprimentos
    vcampelo@vcs.pt

    ResponderExcluir
  43. Eu li um comentário da América do Sul e achei os nºs impressionantes.
    O caracol é o ciclo de reprodução completa de caracóis terrestres comestíveis na criação de abertura, natural, ou fechada. Na América Latina, o desenvolvimento da atividade é incipiente. Na Europa, a produção é muito grande, mas não o suficiente para satisfazer as suas necessidades.

    Estima-se que o consumo mundial atual de caracóis terrestres comestíveis ultrapassa os 300 000 toneladas e, segundo alguns estudos, estima-se que nos próximos 20 anos, essa demanda é multiplicado por cinco, ou seja, serão 1,5 milhões de toneladas. O valor não é desprezível para que ele possa explorar essa para a instalação de novas explorações.

    Esta actividade pode ser desenvolvida em escala industrial (para comercializar o produto), ou para o consumo das famílias, melhorar a alimentação e economia doméstica.

    ResponderExcluir
  44. Publico aqui endereços de cursos:
    Se este curso é bom, eu não sei mais como tem havido muita procura:
    Localização: Torres Vedras, Lisboa, Portugal
    Data de publicação: Dezembro 31
    Telefone: 966732552
    Dou formaçao na criaçao e reproduçao de caracois
    ensino tudo assistencia no primeiro ano.

    ResponderExcluir
  45. http://www.youtube.com/watch?v=RocQ7QVxR74
    Este video é interessante e esta empresa também formam helicicultores.

    ResponderExcluir
  46. Eu sou um curioso e acompanho alguns blogues da bicharada, inclusive este negócios de caracóis e projecto caracol. Vejo que a pessoa que publica neste blog é uma pessoa ocupada e não repara muitas das vezes os comentários. Na minha opinião este blog têm muita informação mas exige que as pessoas procurem. O que eu aprendi foi que não devemos fazer um investimento pesado e sim pouco investimento, pois tudo dá muito trabalho e os resultados levam sempre algum tempo. Se soubermos esperar, tenho a certeza que a pessoa que pense em abraçar este projecto ficará com a certeza que realmente é ou não isto que quer.

    ResponderExcluir
  47. A quem possa interessar, junto se partilha link com informação do instituto italiano com método produtivo comprovado :

    http://www.lumache-elici.com/

    podem até adquirir livro para o efeito :

    http://www.lumache-elici.com/en/libro.html

    com vista a desenvolver canais de distribuição, o melhor a fazer é associar os vários produtores e trabalhar na vertente comercial internacional, ou mediante parcerias ( uma entidade que compra a vossa produção - http://telluris-medin.hr/telluris/ )

    Como tudo no mundo dos negócios, um bom plano de negócios, financiamento adequado e força de vontade dos promotores podem criar vencedores neste mercado.

    cumprimentos
    Paulo Dinis

    ResponderExcluir
  48. Boas férias e beba uma mini por mim.

    ResponderExcluir
  49. Olá: Temos que ter cuidado com as formações que nos querem impingir seja para a criação de caracóis ou seja para qualquer outro curso.
    Não vale a pena, dar 150,00 a 200,00 euros por um curso que pode nunca sair da gaveta.
    As pessos hoje fazem um curso e já querem dar formação para ganhar dinheiro, mas´elas só sabem a teoria, se os cursos fossem bom estas empresas e os seus formadores viviam da profissão e não da formação.
    Pensem bem antes de fazer um curso ou de investir pesado. As empresas hoje só querem é vendedores sem escrúpulos e não pessoas honestas e sensiveis.

    ResponderExcluir
  50. Os caracóis na Nazaré, continua, sendo vendidos neste início de época baixa a 5,00 euros o pratinho, quando o Jumbo já está vendendo o caracol pequeno à 1,00 euro o quilograma. Isto que é ganhar dinheiro. Com a redução de empregados e o aumento do desemprego, sem falar do fim do verão, podemos dizer que o comércio local não dá uma tregua e nem facilita os mais desfavorecidos.

    ResponderExcluir
  51. Devido aos tempos dificeis, a formação seja na área que for, tornou-se muitas vezes o verdadeiro negócio para as empresas. Pode-se dizer que é barato e dá milhões. Cada vez há mais pressoas formadas e cada vez há mais licenciados e doutores desempregados. as novas oportunidades muitas das vezes é isso. Um negócio para meia dúzia de pessoas que ministram cursos que não serve para nada, apenas para os subsídios da EUROPA.
    Os caracóis estão na mão de meia dúzia desses senhores, o resto sobrevive.

    ResponderExcluir
  52. Ninguém pediu a minha opinião, mas devido a esta crise duradoura, acho que nós possiveis empresários não devemos nos precipitar.

    Acho fixe o negócio dos caracóis, mas como diz o autor desse blog "Negócios de caracóis" é bom começar devagarinho se possivel reciclar e aproveitar materiais para investir e o investimento inicial deve ser feito com o seu trabalho físico e mental e fazer a sondagem nos cafés da proximidade. Por exemplo: Sr. Joaquim: Eu vendo caracóis a 2,00 euros o kilograma, o sr. está interessado?
    Se ele disser que tem um fornecedor, procure saber o preço que ele paga e assim pode-se repensar na estratégia de venda e se vale a pena fazer um maior investimento.
    Felicidades:

    ResponderExcluir
  53. Maria Tavares
    Boa noite, estou desempregada como nao consigo encontrar emprego estava interessada no negocio da criação de caracóis, gostava de saber mais sobre a maneiro como se faz e o que é necessario tal como gostaria de ter uma melhor noçao sobre este negocio e formação, se alguem me poder ajudar enviando informação ou indicar aonde me posso dirigir agradecia.
    Obrigado
    mikas-t@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Olá: Antes de tudo quero dizer-te que o blog http://negociosdecaracois.blogspot.com/ e http://projectocaracol.blogspot.com/, foi desenvolvido para um projeto do 12º ano e está explicado no blog.

      Para desenvolver o projeto, o meu grupo criou caracóis em cativeiro durante 6 meses e durante este periodo de tempo foi feito diversas pesquisas, entre elas o comércio paralelo sem faturas, ou seja venda nos cafés locais.

      O blog conta com muita matéria e curiosidade sobre os caracóis e diversos endereços de produtores e comerciantes e ainda várias opiniões dos leitores.

      Eu quando criei o Blog, foi para o desenvolvimento de um projeto, mas devido o sucesso do assunto e a pedido de algumas pessoas, continuei.
      Quando desenvolvi o projeto era para ganhar algum dinheiro para as férias, tendo como sustento de subsistência uma criação de caracóis no quintal de um amigo e efetuar as vendas nos cafés e restaurantes da vizinhança.

      Quanto a grande produção, exige investimentos e tempo.

      Deixo aqui um endereço caso queira aprofundar o assunto. Quantop as vendas, já existe muitos importadores e distribuidores na zona de Lisboa e Algarve, tens que definir o teu tipo de negócio e o teu tipo de cliente e ver a disponibilidade deles pagarem o seu preço e se valçe a pena abrir empresa para faturar as vendas.
      Leia um pouco mais: http://cta.esmarthosting.net/data/pdfs/1499_full%20text.pdf

      e http://projectocaracol.blogspot.com/.

      Espero ter ajudado: Um abraço.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  54. Olá: existem muita informação e alguma formação na área.
    Eu aconselho que se faça uma observação com alguma prática. Por exemplo fazer um pequeno viveiro no terreno ou quintal, enquanto observa e trata dos caracóis vai estudando as fazes dos caracóis e vai pensando se vale a pena fazer um bom investimento ou não. Aqui na zona do Ribatejo, exiostem muitas famílias qua fazem a apanha do caracol e vendem para os cafés a 2,00 euros o quilograma, muitas dessas famílias chegam a apanhar 20 quilos desses bichinhos, é uma boa fonte de rendimento e outras apanham também óreganos e vendem para temperar o caracol.
    BioJogral é uma empresa que as vezes dá formação, Sugiro que procurem a página Web desta Empresa. Eles Dão formação.

    ResponderExcluir
  55. Olá amigo: É dificil responder a sua pergunta. Eu criei durante quase um ano caracóis para desenvolver um trabalho para o 12º ano, eu próprio não tinha idéia do impacto que este blog teria nas pessoas. após ter defendido as minhas idéias e o meu projecto, acabei por abandonar o blog e um belo dia quando me lembrei dele fui visita-lo na web e estava cheio de perguntas sobre a criação destes gastrópodes e então acabei por tentar encaminhar as pessoas para diversos endereços e dei a minha humilde opinião.


    Isto é assim: A minha idéia foi fazer uma produção de subsistência para arranjar algum dinheiro e não para fazer vida disto. Acabei por investigar em Santarém e descobri que algumas famílias apanhavam caracóis, espargos e oréganos e vendiam nas feiras e nos cafés locais, para serem comercializados nas esplanadas. Estas famílias vendiam o quilograma do caracol miúdo a 2,00 euros e chegavam a apanhar entre 12 a 20 quilos por dia. Esta atividade rendia bom dinheiro para fortalecer o agregado familiar.


    Eu então pensei em fazer uma boa apanha de caracóis, alimenta-los e acompanha-los no seu desenvolvimento enquanto desenvolvia o meu projecto.

    No meu caso, conhecendo os cafés locais, consigo despachar os meus caracóis e caracoletas e sei quem os procura, mas isto é apenas um negócio paralelo e eu não afecto o grande mercado.


    Quanto a grande produção ou importação e comercialização desses bichinhos, uma coisa é certa o mercado está com grandes senhores a faturarem milhões de euros, sobretudo com os caracóis de Marrocos. Para entrar neste mercado e fazer a diferença é preciso ter muito dinheiro e conhecer o mercado.


    Durante estes últimos anos houve várias publicações em jornais diversos sobre o sucesso deste negócio, deixo aqui alguns links.

    http://meninolopes.blogs.sapo.pt/9617.html


    http://www.empregabrasil.org.br/zaq/como%20abrir%20criacao%20de%20escargot.htm

    http://www.publico.pt/Sociedade/o-caracol-ainda-nos-reserva-muitas-surpresas_1447778?all=1

    ResponderExcluir
  56. O Mirante desta semana traz uma notícia importante sobre pessoas que gostariam de criar o seu próprio negócio de "caracóis", mas, infelizmente ter um negócio legal em Portugal enfrenta grandes dificuldades burocráticas, tornando assim muito dificil a exploração de um negócio honesto. Por estes motivos é que o nosso país está cheio de pessoas que trabalham na clandestinidade, quem perde com tudo isso são os cidadãos e o governo que não arrecada impostos destes negócios que funcionam a margem da lei.

    ResponderExcluir
  57. boa tarde gostava de saber mais sobre produção de caracóis e caracoletas se possível gostaria de contactar através do telefone ou se será preferível efectuar uma visita.

    ResponderExcluir
  58. Olá Pedro:
    Neste Blog, encontra-se de tudo um pouco sobre caracóis.
    Nestas postagens estão abordados temas, curiosidades e acontecimentos cujo herói é o Caracol.
    Se leres as perguntas dos amigos acima, verá que há endereços que podem te ajudar.
    Este blog só relata opiniões, pareceres, notícias e curiosidades deste "Negócio de Caracóis", mas não é uma empresa.
    agradeço muito o seu contacto e o seu interesse e espero que este blog possa ajuda-lo.
    aqui vai um link que talvez o ajude: http://www.active-garden.pt/servicos.html

    ResponderExcluir
  59. Muito Boa Tarde, continuo fascinada e interessada no mundo dos caracóis e gostava de poder aliar o fascínio ao mundo dos negócios, gostava, se possível, que dessem informações sobre empresas ou entidades que nos possam dar apoio na concepção de um empreendimento de produção, criação de caracóis, já andei por muitos lados e não consigo grandes informações, parece-me que existirá alguma espécie de secretismo ou monopólio da criação do caracol no nosso pais.

    Muito obrigada

    Paula Tomaz

    ResponderExcluir
  60. A Bio Jogral dá Formação.
    Este tipo de formação não é barata, mas a "Bio" é certificada.
    O Módulo Engorda visa formar os futuros helicicultores nas seguintes àreas:

    Engorda em Estufas.
    Engorda ao ar livre.
    Construção e manutenção dos parques de engorda de acordo com o "Método Simplificado" desenvolvido pela Biojogral.
    Materiais, equipamentos e infraestruturas necessárias.
    Sementeira, espécies vegetais adequadas.
    Rações Balanceadas. Composição e distribuição nos parques de engorda.
    Períodos de regas.
    Apanho, expurgo e secagem.
    Embalagem e etiquetagem.
    Comercialização. Clientes alvo, tipos de embalagem e normas de higiene.
    Fornecedores de materiais e consumiveis.
    Existem mais sites que falam sobre este tipo de formaçao e a palavra chave para fazer a procura é helicicultor.
    Veja este link: http://www.biojogral.com/scripts/default.asp?art_id=45

    ResponderExcluir
  61. Boa tarde: interesso-me por todo tipo de trabalho que se possa fazer com pouco investimento e possa tirar partido da dedicação dispensada no esforço físico com resultados financeiros como prenda.
    Tenho visto muita informação sobre caracóis e eu próprio sou consumidor nos meses de verão, devido a actual crise, vejo uma boa oportunidade de ganhar uns cobres sem pagar impostos. Agradecia que me mandasse mais alguma informação sobre o assunto.
    Obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo "HAAF", fico contente pelo seu interesse em "caracóis", neste blog "negócios de caracóis", têm toda a informação necessária para as suas dúvidas e muitas estão dadas pelas respostas e perguntas dos leitores nos posts do "blog".
      Como eu já disse a muitas pessoas, eu não tenho um negócio de caracóis, este blo é parte integrante de um trabalho de marketing desenvolvido no primeiro blog "projecto caracol" para as novas oportunidades 12º ano.´´E claro que tivemos de crialos durante algumas semanas para testar as capacidades práticas de um projecto em andamento.
      espero que estes blogs sejam úteis.
      obrigado pelo seu interesse.

      Excluir
  62. Olá boa tarde,
    Devo desde já dizer que é um blog bastante interessante. Um colega meu falou nesse tipo de negócio, e até falou em vender a baba de caracol para fins cosméticos. Gostaria que me ajudasse no encaminhamento de mais informações acerca disto, bem como ajudas comunitárias que penso que são disponibilizadas para o efeito.
    Gostaria de saber ainda, se disponibiliza contactos para posterior vendas no mercado nacional, ou mesmo internacional.
    Cumprimentos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AGRODOK 47

      ou

      http://smtpilimitado.com/kennel/Aculturadecaracoisafricanos.pdf

      Excluir
    2. Olá Vasco: Não sei qual é a sua localidade, mas aqui no Distrito de Santarém, Tomar, Torres Novas, a NERSAN parece estar a reter valores para médios e pequenos empresários, mas para isso é preciso se informar e apresentar projeto.
      Não me pergunte quais são as exigências, mas o facto é que parece que tem havido poucos projetos a beneficiarem deste tipo de apoio. Não custa tentar.
      Quanto a baba de caracol, a exploração deste produto é feito através do estressamento do "bicho caracol" e o investimento já pertence ao mundo da cosmética e envolve laboratório.
      Segundo o gerenciador deste blog é uma menoria de empresas que tem preços e qualidade a niveis competitivos para disputar o mercado internacional, quanto ao mercado nacional, sei que nas grandes cidades o caracol continua vindo de fora na sua maioria, principalmente nas zonas do litoral.
      Espero ter ajudado.
      Um abraço do Valdir.

      Excluir
  63. Olá vasco: como eu já disse as centenas de pessoas que me fazem perguntas sobre negócios de caracóis.
    Este blog nasceu de um projecto e alguma experiência não muito aprofundada sobre o assunto. Há um blog chamado projecto caracol e este está voltado para o Marketing, este blog foi o primeiro a ser feito, em seguida nasceu o "negócios de caracóis" que juntos faziam parte de um projecto destinado a conclusão de uma disciplina do 12º ano, o "marketing".
    Concluído o projecto e feito algumas experiências em campo, estes blogs ficaram perdidos na internet. Passado alguns meses verefiquei através do meu "mail" que havia muitas pessoas interessadas no assunto, confundindo o meu trabalho escolar com uma empresa de sucesso. Pedi desculpas e respondi aos mails que estavam sempre a chover. Como não tinha paz e a pedido de muitas pessoas voltei a dar vida ao blog dos caracóis e vou atualizando de vez em quando.
    Sinceramente, nunca na minha vida passou pela minha cabeça que as pessoas poderiam se interessar por um "bichinho" tão vulgar como o "caracol".
    Existem muitas formas de venda de produtos do caracol. Se for através da internet, pode-se tentar um programa de afiliados, ou sja através do "seu" site pode ser intermediário da venda de baba de caracol (cosmético), e quem preencher o formulário online através da sua página e efectivar a compra dará a si o direito a uma comissão, melhor que estressar os caracóis para a recolha da baba, pois para isto é necessário meios técnicos e financeiros.
    Se for para criar os gastrópodes, aconselho fazer uma pequena criação e escoar pouco a pouco nas esplanadas da vizinhança, o forte das vendas é os meses de jumho, julho, agosto e setembro.
    Para grandes produções, existem "hoje" mais legislação e as obrigações mais impostos legais, transportes, arcas com temperatura controlada, entre outras despesas. Feito tudo isto, terá que conquistar os maiores mercados situados no litoral, sendo as praias e o centro das grandes cidades os maiores centros de consumo do caracol.
    Aqui, as dificuldades são outras, os comerciantes compram ás toneladas, mas de gastrópodes de "Marrocos" que são vendidos o kilograma à pouco mais de 0,60 cêntimos para o caracol pequeno.
    Portanto: Difícil entrar neste mercado, mas não impossivel.
    Mas, posso dizer que há quem importe o caracol de Portugal.
    Se pensar em criar deixo aqui um link para ti e para todos os leitores do meu blog.

    ResponderExcluir
  64. É curioso que a maior parte dos caracóis em restaurantes e tascas, feiras, esplanadas e cervejarias vem, essencialmente, de Marrocos. Segundo uma fonte (Jornal o Público. É apanhado à mão por pastores e entregue aos responsáveis de cada aldeia, que servem de agentes do negócio, controlado pela família real. Portugueses, espanhóis, franceses, italianos, gregos. Todos querem uma fatia deste produto de exportação - o consumo em Portugal ultrapassa as 40 mil toneladas anuais. A partir de Julho, em Portugal, começa a haver também caracol nacional, que resiste melhor ao passar do Verão devido às temperaturas mais amenas, por comparação com o Norte de África.
    segundo outras fontes, já se falam em excesso de helicicultores, mas a verdade é que em Portugal continua-se a importar este gastrópode.
    Na minha modesta opinião, este negócio está nas mãos de gente grande e por isso começam a intimidar os pequenos para ver se eles desistem do negócio de caracóis, criando impostos e legislação em demasia para dificultar os pequenos investidores que querem entrar no mercado.
    criar caracóis, helicicultores, não é dificil, mas se dificultarem a acessibilidade aos pequenos, estarão protegendo os grandes.

    ResponderExcluir
  65. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Relembre-se que o caracol é considerado uma iguaria, quer em Portugal, quer noutros países, como a França e ou a Itália. A sua carne magra é rica em proteínas, cálcio, ferro e sais minerais, sendo de fácil digestão. A ganhar cada vez mais adeptos encontra-se a última tendência em termos gastronómicos: o caviar de caracol obtido através da extração dos seus ovos.
      Este molusco gastrópode terrestre é, também, o símbolo da Slow Food, associação internacional fundada pelo jornalista italiano Carlo Petrini e que tem por objetivo apoiar e defender a boa comida e o prazer gastronómico. Inspirado nesta associação foi criado, em 1999, o movimento Cittaslow (slow cities), ao qual o município de Silves se juntou desde o início e que constitui um selo de qualidade e uma marca que funciona tanto como uma distinção, como também como um compromisso e um ponto de referência para habitantes, turistas e investidores, e que defende valores como a preservação das tradições locais e a promoção da qualidade de vida.

      No que à sua preparação diz respeito, no Algarve os caracóis são colocados dentro de um recipiente com furos ou tapados com uma rede uma semana antes de serem consumidos. Durante este período são alimentados com farinha ou sêmeas por forma a engordarem e a eliminarem as toxinas. Depois de bem lavados são levados a cozer em água temperada com sal grosso e à qual são adicionados alhos e paus de orégãos, podendo, também, juntar-se casca de laranja ou de limão. Comem-se bem quentes, usando-se, tradicionalmente, um bico de pita para os retirar da casca.

      Texto de propriedade de: 21 de Maio de 2013 | 07:01
      barlavento

      Excluir
  66. Olá amigo, peço desculpas por só agora responder ao seu mail, achei "engraçado" a sua abordagem, mas eu sou apenas um curioso que fez um pequeno projecto para finalizar uma etapa de um curso de marketing.

    Tive, que durante um certo tempo criar caracóis em cativeiro num espaço resumido e demostrar que por A mais B, seria possivel criar um negócio de subsistência ou uma pequena empresa que descrevo no blog "projecto caracol". a minha empresa mencionada no projecto é irreal, como disse foi apenas para dar força ao meu projecto.

    Uma vez defendido o meu projecto, os blogs "Negócio de Caracóis e projecto Caracol" foi abandonado e caído no esquecimento, até que um dia resolvi ver os meus "emílios" e fiquei adimiradíssimo com a quantidade de pessoas que me perguntavam sobre a minha empresa e me pediam opinião sobre o assunto. Acabei por retomar a direcção do blog "Negócio de Caracóis" e tive imensa dificuldades de convencer as pessoas que eu "não" sou uma empresa, ainda hoje vivo de vez em quando este dilema. Tive imensos convites para me ajuntar a outras pessoas que possuiam terras para por em prática este projecto "irreal" mas, possível.



    Se for ao meu post chamado: "Viveiros são negócio "Rentavel", verá o que eu digo. Nunca na minha vida me passou pela cabeça que alguém se interesasse tanto por estes bichinhos de nome caracol.

    As pessoas entenderam que o meu projecto de curso era real, esta situação preocupou-me bastante, de modo que ao longo do blog mencionei várias vezes que a minha empresa não era real e não é.



    Por haver tanta procura, acabei por pesquizar e acabei por me interessar por todos assuntos relacionados com o caracol e publico-os mencionando sempre a fonte de onde eu bebo.



    Hoje tenho muitas pessoas agradecidas pelas minhas dicas, estas pessoas são direcionadas a sites reais e a literatura e também tenho pessoas chateadas comigo por eu não ter respondido os mails delas. Tenho dias de saturação e nestes dias não consigo ficar a frente de um computador.



    Portanto amigo da Helixcoop, se achar que o meu site é útil para si e para a sua empresa não me importo de divulga-la e falar no que ela oferece a esta sociedade do caracol.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  67. Este tambem é uma boa forma de rendimento.

    http://dinheiroonlinet.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  68. Hoje é 21 de Dezembro de 2012. O assunto em voga é o fim do mundo. O curioso é que a maior parte dos povos relacionados com a cultura Maia estão a fazer rituais de mudança, ou seja: O término de um ciclo e nós ditos inteligentes e intelectuais falamos no fim do mundo.
    Tanta audiência e tanta importância em assuntos que não contribuem em nada para o futuro da humanidade, quando se podia aproveitar para ensinar os sobreviventes desta críse a tirar o sustento da terra.Deviámos aproveitar os conhecimentos dos mais velhos para reaprendermos a cultivar toda a espécie de plantas e a criar diversos tipos de animais para a subsistência das famílias inclusive os caracóis que já comprovou toda uma potêncialidade positiva na vida do "homem", tanto na alimentação, na saúde e na cosmética e também na importãncia da plantação da Canábis para a produção do oxigênio e para o combate ao câncro.
    Isso sim seriam óptimas notícias com resultados para a humanidade e não as conversas de fim do mundo onde só servem para encher os bolsos dos charlatões e da especulação sensacionalista dos jornais.

    ResponderExcluir
  69. boa tarde..
    Gostaria de saber mais acerca de criação de caracóis. e a forma por onde começar..Tenho um terreno com cerca de 5 hectares..

    telmopraia82@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá eu recomendo que vejas as perguntas e respostas dos leitores deste blog, uma vez que o autor está quase sempre ausente.
      Penso que as perguntas e respostas que deseja além de estar em algum lugar das centenas de posts que foram publicados, também estão nas respostas a este "POST" VIVEIROS SÃO NEGÓCIO RENÁVEL

      Excluir
  70. Boa Tarde,

    Gostaria, de criar o meu próprio negócio, desta forma, como sempre fui apreciador de caracóis, gostaria que me informa-se além do terreno, quais os requisitos necessários para se criar um viveiro, e como se efetua o escoamento do produto para o mercado.

    Obrigado,

    José

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O meu Contacto e-mail - malafaia.jose@gmail.com

      Excluir
    2. Olá José. Esta pergunta, eu e muitas outras pessoas já a fizemos ao dono deste blog e o que ele disse foi que o objetivo principal deste projecto é criar uma fonte de rendimento e uma helicicultura de subsistência, utilizando para isso uma série de materiais reciclaveis que podemos encontrar no dia a dia.
      Quanto a ambição de cada um, isto depende de quanto quer investir e se valerá a pena.
      Para escoar os caracóis e caracoletas é preciso fazer o estudo de mercado e saber quem seria os compradores e quanto estão dispostos a pagar e a quantidade que estão dispostos a comprar.
      Segundo este blog, o negócio aqui feito foi a criação de caracóis em um espaço de 2 metros quadrados por 1,70 de altura e o escoamento foi feito através dos cafés da vizinhança, sem facturas.
      A partir da localidade é a estratégia traçada. Começa-se pelos vizinhos e vai-se alargando aos bairros até dominar o Distrito.
      Mas, atenção: A maioria dos caracóis comercializados em Portugal provém de Marrocos e dentrpo do mercado nacional o preço oscila conforme a procura.
      Segundo o gerenciador deste blog, diz que: Convém começar de forma cautelosa a criação destes gastrópodes e sem grandes gastos, pelo menos enquanto contacta os comerciantes e que estes após acordarem o valor por Kg. garantam a compra.
      Boa sorte para si e pesquise antes de investir no negócio.

      Excluir
    3. Deixo aqui uma curiosidade sobre os caracóis que é uma das perguntas mais frequentes sobre o "bicho" feita pelos leitores deste espaço.

      Ração para caracóis.
      Composto de:

      É confeccionada à base de farinha de soja, milho, trigo e aveia. O caracol, é totalmente vegetariano. À noite, além da ração, comem couve, trevo e alface e quase tudo que é verde, na criação, devemos semear vegetais no terreno onde se encontram.

      Os caracóis sobem tudo, inclusive as redes de protecção, por isso os helicultores utilizam uma rede elétrica, muitos helicicultores chamam a isso de pastor eléctrico, o sistema é do género utilizado para as ovelhas. Os choques eléctricos evitam que eles saiam do recinto. O cativeiro dura cerca de quatro meses até que um caracol atinja a idade adulta, para poder ser servido na mesa dos apreciadores.

      Um caracol adulto pesa entre 5 e 20 gramas.
      As espécies mais criadas na helicicultura portuguesa são: O “helix aspersa” ou “petit gus”, francês e o máxima, conhecido por “escargot de Bourgogne”. São as espécies mais criadas, nas estufas de Portugal.
      De maneira geral, os criadores que exploram este tipo de negócio, começam por 500 a 1000 metros quadrados e vão avançando a criação e a ocupação de mais metros quadrados conforme a exigência do mercado e a dimensão do volume de negócios.

      Os materiais para o negócio são dependentes do investimento de cada um. Como é sabido muitos dos caracóis que petiscamos nos cafés provém da natureza e não de estufas. Os materiais são basicamente como a nossa casa que está fechada para impedir a saída das crianças e a entrada de ladrões, que no caso dos caracóis são os predadores, pássaros e pequenos lagartos e roedores daí a importãncia da rede, De maneira geral o caracol é noturno, dorme durante o dia e sai para se alimentar a noite.
      Fogem da luz do sol mas. precisam do seu calor e da humidade, daí o hábito de usar telhas, paletes e metades de bidôes de plático. Estes materiais protegem-nos da lus e mantém a humidade e temperatura necessária para o seu desenvolvimento.

      Excluir
    4. VIVEIROS SÃO NEGÓCIO RENTÁVEL

      Se tem um terreno com dois mil metros quadrados, três horas livres por dia e 10 600 euros para o investimento inicial, mais 2400 para as despesas com água e rações, a helicicultura pode ser uma boa oportunidade de negócio. Ao fim de um ano pode ganhar 17,5 mil euros. João Lopes, proprietário do Monte Jogral, na zona do Poceirão, garante que a criação de caracoletas em viveiros é um investimento com retorno garantido e dá o seu próprio exemplo.

      Começou a sua exploração em 2000, quando importou os primeiros avelins (caracóis acabados de eclodir) de Barcelona. Hoje tem 2,5 hectares de viveiros, entre estufas e campos abertos.
      Dê uma olhada em: "Monte Jogral", pode ser que tenha uma ideia.

      Excluir
  71. Para criar um viveiro como um ajudante de subsistência na criação de caracóis é muito fácil.
    O que os caracóis precisam é de uma rede para proteção contra os pássaros e roedores e húmidade.
    Os caracóis gostam de se protegerem durante o dia e saem para se alimentarem a noite.
    As paletes são uma excelente maneira de os proteger e mante-los húmidos.
    Podemos fazer viveiros com quase todos os tipos de materiais encontrados nos lixos e lixeiras, como tábuas, madeiras, paletes, plásticos e etc...
    Não é preciso ser um grande estudante de helicicultura para criar caracóis e caracoletas, mas para investir num negócio maior já convém perceber todo o processo para ter uma grande produção,
    O processo abrange a postura, hibernação, separação dos animais vivos dos mortos e desenvolvimento e protecção dos alevins.

    ResponderExcluir
  72. Curiosidades:
    DN:
    Lisboa. Belmiro Domingos quer restaurante só com pratos à base do gastrópode

    Faz criação do molusco, importação de Marrocos e vende-o em feiras

    Há quem dê a volta a Portugal em bicicleta, Belmiro Domingos dá a volta ao País com os seus caracóis. Há cinco anos que organiza uma feira para dar a conhecer as delícias gastronómicas do molusco gastrópode. Um dos seus objectivos é a constituição da Confraria do Caracol, cujos estatutos está a preparar e que pretende apresentar em Janeiro. A abertura de um restaurante em Lisboa especializado em receitas de caracol, onde possa pôr um letreiro a dizer "Ranhosos todo o ano", é outra meta.

    Esta semana fomos encontrá-lo em Samora Correia, na esplanada do café Os Arcos, junto às piscinas da vila, onde nos deu conta do seu projecto para dar o merecido lugar ao gastrópode do género Hélix, o caracol comum europeu, que os franceses colocaram nas mesas dos melhores res- taurantes do mundo. Na feira do caracol que ontem terminou em Samora Correia, Belmiro Domingos apresentou uma dúzia de receitas de caracol, algumas delas fruto da sua criação: o requintado escargot à francesa, a simples caracoleta grelhada na chapa, o tradicional caracol pequeno cozido, a feijoada de caracoleta, a sopa de caracol, o caracol frito, a caracoleta à helicicultor, o caracol de caldeirada à pescador e o caracol com caril.

    Tem já apuradas três novas receitas que irá apresentar no próximo mês - omeleta de caracol, fondue de caracol e caracol à D. Nuno Álvares Pereira. A confecção do escargot à francesa foi-lhe ensinada por uma mulher que trabalhou em França e cujo ofício durante 15 anos foi confeccionar escargots.

    ResponderExcluir
  73. Boas, agradeço o V/ texto sobre os caracois e a formação por V/ requerida. gostava de frequentar o curso por V/ sugerido, pk gosto de caracois. estou desempregado e quero iniciar uma nova actividade laboral.
    agradeço a V/ compreensão e se possivel a ajuda por mim referida.
    obgds.

    respeitosos cumprimentos,
    josé oliveira,
    josephwoly@gmail.com
    91.974.73.75

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá: Veja em Agrodok 47, criação de caracóis africanos. Achatina achatina e Achatina Fulica, são os caracóis gigantes de África que pesam mais de 600 gramas. O estudo serve também para o Helix aspersa.
      Este blog Negócios de Caracóis têm muitos posts e muita interação de diversos visitantes, isto é bom porquê nos dá muitas idéias.

      Excluir
  74. Eu estou impressionada com a procura que existe em torno deste bichinho ranhoso, em hipótese alguma achei que os caracóis udessem gerar milhões em lucros extraordinários e que os mesmos que encontramos nos mercados derivam na sua maioria de Marrocos. No momento encontram-se no Eleclerc a 3,99 euros e no Feira Nova a 2,99 o quilograma.

    ResponderExcluir
  75. Já tenho passado por esta página mais vezes e segundo me disseram, o gestor deste blog passa a maior parte do tempo ausente, por isso sugiro que procurem as respostas as questões na opinião pessoal daqueles que perguntam e respondem nestes posts.

    ResponderExcluir
  76. Uma palavra de apreço e agradecimento para a criadora do Blog que já explicou que o criou para um fim diferente deste e que o mantém por uma questão de solidariedade e, ainda assim, tem de suportar "acusações" de estar ausente...leiam tudo...por favor...

    ResponderExcluir
  77. Olá!

    Você precisa de ajuda financeira?

    Candidatar-se a todos os tipos de empréstimos e obter o dinheiro urgentemente!

    * Nomeações no valor de US $ 1.000 a US $ 5,000000.00
    * Taxa de juros de 3%
    * Escolha entre 1 a 20 anos de reembolso.
    * Escolha entre o plano de pagamento mensal e anual.
    * Termos empréstimos flexibilidade.

    Todos estes planos e muito mais, entre em contato conosco.

    Nome: Endereço: País: Montante necessário: Duração: Telefone: Renda Mensal:

    andersonloanhome@gmail.com
    sinceramente
    gestão

    ResponderExcluir
  78. Cuidado com os créditos, nem tudo são facilidades não deem o nº das contas a ninguém e procurem alicerces seguros.
    Quanto maior for os problemas económicos do país e das pessoas maiores são as hipóteses de haverem vítimas de enganos. Para um negócio seguro, precisamos tentar as instituições bancárias, formação e emprego, micro-crédito e por último outras formas e empresas de créditos, até porquê o crédito fica mais caro. O ideal mesmo é nunca recorrer ao crédito, ganha-se vida e saúde mental. Existe um ditado que diz: No poupar é que está o ganho e não é da forma que o Marketing nos faz ver. Poupar na realidade é não gastar e nãopagar menos....

    ResponderExcluir
  79. É verdade Paulo: Quanto menos nos envolvermos com os créditos mais saudáveis estaremos é claro que quem fizer um projeto com cabeça tronco e membros e queira investir de uma forma mais profissional, eu, recomendo os bancos, sempre são mais fiáveis e com encargos mais baixos que as restantes instituições de créditos.

    ResponderExcluir
  80. Vivemos uma fase crítica da nossa economia. Podemos dizer que mais vale um pássaro na mão que dois a voar.
    Feliz são aqueles que não se encontram nas mãos dos bancos e das instituições de crédito.
    O segredo nos dias de hoje para uma vida saudável, passa pela gestão inteligente e controlada do dinheiro. Esqueçam as fantasias e façam o mínimo de despesas "possíveis", hoje é importante ter o dinheiro e não bens como terrenos e prédios, pois os pequenos comerciantes e pequenos proprietários são aqueles que estão a pagar as dívidas deste país. Se abrirem um negócio, comecem devagar de acordo com as suas posses e acompanhem o investimento conforme o crescimento do mercado, senão, correm o risco de perderem dinheiro e ficarem com dívidas. Façam como o Sr. deste blog: Reciclem e aproveitem os materiais para começar e só depois aumentem a capacidade de produção, com menor custo.

    ResponderExcluir
  81. Evitem os créditos: Semana passada apareceu várias notícias de vigarices feitas por pessoas e empresas inesistentes, parece que a Judiciária anda atrás deste tipo de picaretice que vem roubar o pouco dinheiro que as pessoas tém.
    Os vigaristas neste país escapam as leis e saem impunes novamente para as ruas e graças ao nosso sistema judicial. Os inocentes vão para a cadeia e os criminosos saem em liberdade para continuarem a enganar pessoas humildes e de boa índole.

    "Fujam dos créditos" Sejam felizes!!! Uma amiga semana passada recebeu a visita de um empresário que gentilmente visitou o seu terreno com o objetivo de arrendar para uma pequena exploração agrícola, quem sabe helicicultura. Após a visita ofereceu o seu cartão onde tinha o nome da suposta empresa e o seu telefone pessoal, esta amiga consultou várias fontes de iformação e descobriu que a empresa não existe. Tenham atenção a situações como estas.

    Caso queiram investir tenham em conta:
    Para se crescer nesta área da helicicultura é preciso ou convém ver algumas instalações e quem sabe fazer também algumas formações como: Leis, conservação de carne de caracol, normas da HCCP, entre outros.

    Os custos de um investimento deste calibre passa por:

    1-Montagem das infra-estruturas,
    2-investimentos a realizar ,
    3-tipos de produção (estufa - ou ao ar livre)
    4-como preparar os parques de engorda e o que semear,
    5-montagem de sistemas de rega,
    6-fabrico de abrigos,
    7-quantidade de caracóis bebés a comprar,(avelins)
    8-manutenção dos parques,
    9-engorda dos caracóis,
    10-aplicações de fitofármacos,
    11-apanha,
    12-purga,
    13-embalagem,
    14-conservação,
    15-escoamento,
    16-legalização da actividade,
    17-candidatura a subsídios do Ministério da Agricultura Etc....

    ResponderExcluir
  82. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  83. Boa tarde a todos...
    Se quiseres ter a formação inicial não hesitem em contactar.

    http://www.foro-do-medronheiro.pt/

    ResponderExcluir
  84. Boa tarde!

    Gostava de saber se nas zonas de muito frio aconselha este tipo de investimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O caracol terrestre desenvolve-se bem com temperaturas amenas, entre os 18ºC e os 22ºC e uma humidade atmosférica elevada, entre os 70% e os 80%. Esta é a principal razão pela qual podemos ver bastantes a passear no nosso jardim logo após uma chuvada. Com temperaturas superiores e humidade reduzida entram em estivação até que os valores ideais se façam sentir novamente, no entanto suportam temperaturas elevadas desde que acompanhadas por um aumento de humidade. Abaixo dos 10ºC o caracol hiberna e abaixo dos 0ºC congela e morre.

      Em estado selvagem o bioritmo do caracol pode ser dividido em três períodos distintos: o período de actividade, durante a Primavera, Verão e Outono; o de estivação, dentro do período de actividade e sempre que as condições de temperatura e humidade não sejam as mais propicias ao seu desenvolvimento; e o período de hibernação, durante quase todo o Inverno. Veja em; http://www.biojogral.com/scripts/default.asp?art_id=40

      Excluir
  85. Os caracóis a partir dos 0º graus morrem congelados. Na produção de caracóis e caracoletas, é natural a sua criação e o seu desenvolvimento serem feitos em temperaturas controladas. Da mesma forma que as flores, os caracóis são produzidos e criados em estufas, geralmente com coberturas de plástico para manter uma temperatura mais amena. No verão, na primavera é comum usar borrifadores por causa do controle da humidade. A água é um bem essencial aos caracóis.

    ResponderExcluir
  86. Olá: As estufas são a solução das temperaturas controladas, basta fechar a entrada de ar e a temperatura será sempre maior que a do ambiente externo.
    Caso esteja em regiões de temperaturas muito baixas, a solução passa pela aplicação das lâmpadas.

    ResponderExcluir
  87. Olá, eu ando a pensar seriamente em investir no negócio, gostaria de poder visitar um produtor, podem me informar onde posso fazer essa visita?


    Leonardo Rodrigues
    Leonardo_miguel67@hotmail.com

    ResponderExcluir
  88. Olá Leonardo Rodrigues: Existem vários: eu sugiro a "Biojogral".
    O termo “helicicultura” deriva dos vocábulos latinos “Helix” (Tipo de caracol) e “Cultivare” (Cultivar). A definição consensual de helicicultura é: “A criação sistematizada em cativeiro, com fins comerciais, de caracóis terrestres comestíveis.”
    Com o aparecimento das primeiras quintas helicícolas nos anos 70, nascem duas
    formas distintas de criar caracóis, as mesmas que são usadas ainda hoje com mais ou menos adaptações. O método italiano
    ou “Ciclo Biológico Completo”, onde os animais são criados em grandes parques
    de terreno a céu aberto, ou o método francês, ou “sistema intensivo”, onde os animais são criados em mesas específicas colocadas em recintos fechados, com parâmetros de luz, temperatura e humidade controlados e alimentados exclusivamente com rações próprias para helicicultura.

    ResponderExcluir
  89. Bom dia. Estava com a Helicicultura como ideia de negócio mas soube que a biojogral fechou, alguém sabe o motivo? Se não quizerem responder aqui, disponibilizo o meu email: soudohugo@msn.com

    ResponderExcluir
  90. Você está na necessidade de um empréstimo? tem o banco negou-lhe de um empréstimo, estamos aqui para ajudá-lo financeiramente, tudo que você tem que fazer agora é nos enviar e-mail via (binaleyfinancialinstitution@hotmail.com) para obter seu empréstimo imediato de qualquer valor, a qualquer destino. Sua felicidade é a nossa prioridade.

    Nome: Binaley Salami
    Nome da empresa: Binaley Instituição Financeira
    Email: binaleyfinancialinstitution@hotmail.com

    Aplicar para um empréstimo rápido de hoje

    ResponderExcluir
  91. http://heliciculturaemportugal.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  92. empréstimos Escócia Serviços Financeiros Como parte da promoção em curso, estamos atualmente oferta privada, comercial e
    Empréstimos pessoais para potenciais clientes que precisam de dinheiro urgente na taxa de juros de 2%,
    Por que esperar para o dinheiro que você precisa com urgência? temos o dinheiro para emprestar.
    Nosso serviço de empréstimo financeiro é 100% garantido.
    damos o empréstimo que varia de £ 10,000 - R $ 10,5 milhões. Inscreva-se agora e se juntar a milhares de satisfeito
    clientes.
    INFORMAÇÕES MUTUÁRIOS
    Valor do Empréstimo Necessário:
    Empréstimo Duração:
    Finalidade da ajuda:
    Seus nomes:
    Sua idade:
    Ocupação:
    Your Sex:
    Seu país:
    O seu estado civil:
    Telefone:
    Responder através deste e-mail: scotiabankloans@gmail.com

    ResponderExcluir